16 julho 2015

Aquele caminho

Ao olhar para trás ela viu que pulou todos os obstáculos que estavam em sua caminhada, por pressa, mas logo percebeu que fazendo isso seria pior pois aquilo que ela fugiu poderia vir tudo de uma vez quando estivesse prestes a chegar.
Ela estava sozinha, tinha três opções, gritar pela ajuda de alguém,  seguir em frente e enfrentar sozinha, ou voltar todo o caminho e desistir da vitória. Sentada pensou por um bom tempo, em sua mente viu que se chamasse alguém estaria sendo um incomodo para a mesma, e que talvez nem seria atendida aos gritos e estaria apenas se humilhando demonstrando fraqueza. Tudo ficou muito confuso, as primeira lágrimas de seus olhos caíram, pois embora ainda restassem duas opções ela sabia que nenhuma delas seria a que iria levar para o lugar que tanto quer. O tempo só passava e os obstáculos que ela havia pulado estaria a sua procura, então secou as lágrimas e pensou por mais um instante, chegando a conclusão de que se ela pelo menos tentasse lutar e dar o melhor de sí já seria uma grande conquista, pois voltando para trás seria sim uma fracassada, e esse título ela não queria levar, mas no fundo do seu coração ainda tinha uma rasa esperança de vencer.
As flores das árvores caiam ao seu redor decorando o caminho como um verdadeiro jardim, até que uma chuva veio a cair e estragar o cenário, pois naquele momento o palco não pertencia a ela, mas sim a sua primeira tentativa de suportar a dor. Ao invés de pegar algo para se cobrir daquilo, e fazer da mesma maneira que havia feito em vezes diferentes, a menina saiu com determinação rodopiando pela chuva, suportando aquelas gotas maiores que a si mesma, mas não de sua vontade de vencer.
Em meio há distração acabou se perdendo de sua trilha, mas não desanimou, até que ao piscar de seus olhos surge uma borboleta contornando o céu como se tivesse querendo dizer algo, ou apontar algo.
Foi olhando e admirando os pequenos detalhes ao invés de esperar por grandes enigmas que ela viu o seu rumo desenhado no chão novamente, pois ali estava a mesma borboletando dando voltas ao redor de uma flor que atraia atenção por seu cheiro, mas um cheiro além do modo comum que todos podem sentir.
Em meio há sorrisos ela olhava para frente, esqueceu de tudo o que já havia passado e da hipótese de que algo atrás dela pudesse a sabotar. Talvez tenha sido essa positividade que tenha feito com que ela conseguisse alcançar aquilo que julgava impossível. Pois sim, seus olhos refletiram a chegada de seus sonhos, do caminho no qual ela percorreu com pressa, e que agora no fim, foi dando pequenos passos para que conseguisse saborear sua conquista com maior durabilidade, e sem sede ao pote, pois se ele for seu, não há nada que possa te impedir. 

12 comentários:

  1. Oie, amei o texto e o blog! Me inscrevi para acompanhar tudinho ♥ da uma olhadinha no meu blog também: http://feminificando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o texto e já estou participando do blog!
      http://www.blog-reinventar.blogspot.com.br/

      Excluir
  3. Legal seu texto! Parecia que eu tava vendo o lugar que a moça estava! - eu nunca consegui descrever bem cenários -

    Só uma coisa que me incomodou: não tem parágrafo! No blog, é bom dar um enter a cada parágrafo, que fica mais fácil pra pessoa que tá lendo - as letras se embaralharam todas aqui!

    Vou esperar um post contando o que aconteceu pra menina estar sofrendo - no começo, achei que fosse uma cena de violência doméstica, ou briga romântica, fiquei imaginando!

    Beijos!

    http://contosetrocados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Letícia, não sabe o quão feliz fiquei com seu comentário. Te agradeço pela dica, irei aderi-la em meus próximos textos com certeza, nunca tinha pensado nisso, eu apenas dava um enter normal sem espaçamento, mas vendo melhor agora você tem razão.
      A princípio a minha ideia do sofrimento da menina era fazer com que quem estivesse lendo pudesse encaixar a sua dor ou imaginar algum motivo, para que de certa forma pudessem se inspirar e sentir-se na história. Mas posso pensar em um próximo post contar minha versão do sofrimento dela. Beijos! <3

      Excluir
  4. Excelente condução do texto me senti conduzida pelos cenários e situação da moça. Fora que atiçou minha curiosidade.
    Parabéns!

    www.estantedoinfinito.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, que bom que gostou e conseguiu sentir o que eu queria passar. Beijos

      Excluir
  5. Que texto lindooo,cada um melhor que o outro..Parabéns pelo blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa obrigada Sara, te agradeço muito, seu comentário será muito importante para que eu continue escrevendo. Beijos

      Excluir

Layout por Heloise Oliveira - Tecnologia Blogger